Se manter atualizado quanto à concorrência é uma estratégia importante para se manter competitivo. Afinal o mercado se atualiza diariamente.

Mas como analisar corretamente a concorrência sem cair em falsas previsões ou dados fantasiosos?

O benchmarking é uma análise de mercado baseada em dados reais, compilados e segmentados. Acompanhe um pouco mais da sua futura nova estratégia de marketing.

O que é benchmark

A expressão, que significa “referência” em inglês, é utilizada tanto no mundo corporativo quanto tecnológico e, por definição, são semelhantes. Ambos visam comparar sistematicamente informações de referência por meio de dados e testes. 

Na computação é executado um código ou programa que analisa performance e/ou desempenho.

Já no mundo corporativo o benchmarking é a análise por comparação de diversos ecossistemas de uma empresa, seja operacional, comercial e desenvolvimento estratégico.

Nesta análise são coletados dados de processos, desempenho e resultados a fim de otimizar etapas. Surgiu na década de 70 no escritório da gigante Xerox, como um teste para validar a ideia de que nenhuma empresa será excepcional em tudo.

Analisando o mercado corretamente

Realizar um estudo correto da concorrência pode ser mais difícil do que parece. Mais do que apenas “dar uma olhadinha” nas práticas adotadas por concorrentes, é preciso dedicar um planejamento prévio.

Buscar o método ideal de analisar e aplicar o estudo de mercado por meio de comparação, o benchmarking, pode ser a diferença entre um resultado positivo e uma completa perda de tempo.

Existem 4 tipos de benchmarking principais: interno, competitivo, funcional e de cooperação.

Benchmark Interno

Modelo adotado em grandes redes, geralmente. Neste são feitas análises e testes de processos e sistemas dentro da própria empresa, comparando dados entre filiais, departamentos e etc. Neste modelo pode ocorrer viés por paradigmas internos. Em contrapartida se emprega um custo de realização menor.

Benchmark Competitivo

Neste modelo é analisado, de forma detalhada e minuciosa, a concorrência. É dificultoso de ser aplicado, afinal para isso são necessários os dados, informações e práticas dos concorrentes. Geralmente é feito por intermédio de uma consultoria externa.

Benchmark Funcional

Esta análise se baseia principalmente nos processos, geralmente quando este agrega funções de diversos setores de uma companhia, como por exemplo o processo de venda de um e-commerce. É o tipo de análise com mais cases e dados acessíveis, afinal os segmentos não são tidos como impeditivos.

Benchmark de Cooperação

Por fim, nesta prática duas ou mais companhias estabelecem um modelo de cooperação, uma parceria. Da mesma forma pode ocorrer na forma de mentoria, onde uma empresa-chave presta ligações como aprendizado à outra empresa ou startup. 

Quais variáveis são mais importantes?

E como, de fato, realizar uma análise de benchmark? Essa prática parece complicada mas, com planejamento, é possível de ser aplicada em diversos cenários.

As etapas são variadas e alguns estudos podem apresentar etapas diferentes mas, em geral, você precisará desempenhar 5 passos principais: planejar, coletar dados, analisar, adaptar e implementar.

Siga acompanhando para ver um pouco mais sobre cada etapa.

Planejamento da análise benchmark

Ao planejar a pesquisa de benchmark o primeiro passo precisa ser: defina o cenário atual. Todo tipo de análise, por menor que seja, precisa de ao menos 2 dados comparativos (aliás, o ideal é que sejam exatamente 2 dados por vez, o famoso “teste a/b”).

Por conta disso realize uma avaliação completa dos processos, serviços, estrutura organizacional, satisfação e opinião de clientes e o que mais julgar relevante no seu cenário.

Também documente quais as empresas-chave no seu segmento ou quais concorrentes deseja se equiparar ou superar.

Coleta dos dados à serem analisados

Antes de tudo é preciso definir qual a metodologia de coleta de dados. Vai contratar uma consultoria? Pesquisar online? Realizar parcerias?

É de extrema importância a confiabilidade dos dados, então busque fontes viáveis e confiáveis. Caso contrário repense a estratégia de coleta.

Análise dos dados coletados

Agora é a etapa de comparação! Organize as informações de modo que seja possível verificar divergências entre todas as informações prévias sobre sua empresa com as informações conquistadas no processo de coleta.

São levantadas lacunas, pontos de atenção que serão trabalhados posteriormente. Não faça tudo de uma vez só, primeiro levante os pontos e depois busque entender estes pontos levantados.

Adapte as possíveis melhorias

Dados não são enfeite, certo? É preciso fazer algo com eles! Em uma cultura movida por dados todo tipo de informação pode gerar ação, seja corretiva ou experimental.

Para garantir testes satisfatórios projete níveis de desempenho futuro, com base nos dados atuais, com metas e prazos para determinadas etapas. Este processo é essencial antes de implementar medidas de fato.

Implemente ações e aplique testes

Esta etapa é contínua. Até aqui você já tem um cenário atual da sua companhia, dados coletados de empresas-chave, um plano de melhorias possíveis e indicadores para balizar suas projeções.

É então que as ações possíveis são implementadas, monitoradas e analisadas. Toda constatação, positiva ou negativa, precisa ser registrada e comunicada, a fim de entender como alguns processos funcionam em uma companhia e não funcionam em outra. 

Este montante de dados coletados sempre irá se tornar mais rico e nortear ações futuras, propostas e projeções.

Apesar de ser contínuo, é possível dizer que o processo de benchmarking se concluiu quando os pontos foram incorporados ao processo geral da empresa de forma satisfatória, concluindo o “check-list” levantado no planejamento.

Como melhorar seu índice no segmento

O processo de melhora dentro do segmento se baseia muito na análise e testes, otimizando ações positivas e remodelando ou extinguindo ações negativas. Afinal, como comentamos anteriormente, o benchmarking surgiu por conta da ciência de que dificilmente uma empresa será boa em tudo.

Pensar no produto, no cliente e no colaborador são 3 pilares principais para evoluir o índice dentro do segmento. Aqui na Solvis realizamos um levantamento interno do índice referente ao cliente. 

Com os dados coletados pela Solvis pode-se analisar a satisfação geral de clientes por segmento de atuação dos nossos clientes, coletando dados relevantes para estabelecer melhores padrões e assim ajudar a diagnosticar padrões nos melhores resultados.

Acompanhando o benchmark constantemente

Manter-se atualizado é tarefa complicada, afinal a consolidação de dados por segmento não existe atualmente no Brasil. Os dados de cada empresa são, por via de regra, confidenciais.

Todavia é possível monitorar seu próprio status e verificar a evolução da sua marca, se há divergências entre unidades e quais pontos são mais comentados por clientes e colaboradores, positiva ou negativamente.

Ter um canal de comunicação aberto com ambos é essencial para a auto análise, proporcionando dados para a evolução constante.

Benchmarking não é mágica ou hack, é análise de informações ricas e ações assertivas.

Entre em contato com a Solvis e nos deixe te ajudar a evoluir!

Contato

Posts Relacionados

Diferenças nos clientes pré e pós pandemia

Diferenças nos clientes pré e pós pandemia

A mobilização global de contenção do Coronavírus vai deixar marcas! Mas não estamos aqui para falar das marcas na economia, na estrutura social ou até mesmo na ciência. O assunto desse texto são as marcas deixadas nos clientes. Seja o seu cliente ou você mesmo.